Dicas para viajar com animais domésticos

viajar-animais-domesticos Conteúdo por Monise Yokohama – CRMV 13458 Nos dias de hoje os animais de estimação viraram membros da família, sendo assim tentamos incluí-los em todos os acontecimentos importantes da nossa vida, inclusive viagens. Antes de qualquer viagem é necessário identificar o animal, bem como microchipagem ou uso de identificação nas caixas de transporte e de coleiras com medalha contendo endereço, telefone e o nome do animal. É de extrema importância que o pet passe por uma avaliação com um médico veterinário sobre as condições de saúde do mesmo, e assim, garantir que ele esteja apto para viajar. Essa avaliação contará com a atualização antecipada da vacinação, vermifugação e anti parasitários externos, também com a avaliação do animal através do exame físico, clínico, caso seja necessário o medico veterinário irá requisitar exames laboratoriais ou de imagem. Também é de grande relevância esclarecer dúvidas sobre a necessidade de uso de anti-eméticos ou calmantes. Os calmantes não são indicados para viagens, principalmente em voos, pois podem provocar sedação excessiva, relaxamento muscular, hipotermia ou até excitação em alguns casos. Só utilizar se recomendado pelo médico veterinário. Deve-se lembrar que quaisquer viajem e meio de transporte, seja carro, avião ou ônibus, é um fator de estresse para seu animal, pois, quando os tiramos do seu ambiente e da sua rotina tudo se torna diferente e consequentemente estressante. Após ser avaliado por um veterinário, programar viagens curtas para diminuir a ansiedade, planejar sobre o meio de transporte para que assim providencie suportes de segurança, se informar antecipadamente sobre os hotéis que aceitem animais e sobre suas regras, bem como as empresas dos transportes. Todo meio de transporte público exige um atestado de saúde (atestados emitidos no máximo 10 dias antes da viagem) e apresentação da documentação de vacinação em dia, principalmente a vacina anti-rábica é obrigatória em qualquer viagem, e deve ser aplicada há mais de 30 dias e há menos de um ano de embarque. Há outras vacinas que são extremamente importantes para garantir a sanidade do seu pet como a vacina óctopla/dectúpla para cães que previne doenças fatais (cinomose, parvovirose, coronavirose, leptospirose, hepatite infecciosa) e a vacina múltipla felina tríplice/quádrupla/quíntupla que previne doenças fatais no gato como (rinotraqueíte, calicivirose, panleucopenia, leucemia felina e clamidiose). Há também vacinação contra a gripe canina e giardíase em cães e gatos, o qual esta última mencionada é uma zoonose, ou seja, passa do animal para o dono e vice e versa. Antes de viajar forneça alimentos 2 a 3 horas antes da viagem e água a vontade, também faça passeios para que o pet esteja cansado para que no trajeto ele permaneça mais tranquilo e relaxado. Para viagens de carro, é necessário que o cão ou gato permaneça preso e em segurança, ou seja, cães com o uso de cinto de segurança apropriado e adaptado para eles, caixa de transporte (principalmente para gatos) ou uma cadeira própria, existem assentos disponíveis no mercado contendo cinto de segurança. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) proíbe que os animais permaneçam com o rosto para fora da janela do carro, de igual modo não é permitido que o motorista dirija com os cães sentados à esquerda, no colo ou nas partes externas do veículo. Indicado programar as paradas para necessidades fisiológicas, ingestão de água e alimentações em pequenas quantidades. Outra dica importante é sempre observar o animal, levar saquinhos plásticos para retirar as fezes, para o maior conforto do pet é recomendado deixar perto do animal durante a viagem cobertinhas de uso próprio ou blusas e camisetas com cheiros dos donos, para que assim se sintam confortáveis. Para viagens de avião e ônibus é necessário pesquisar sobre as normas e taxas. Por exemplo, para viajar com o animal na cabine do avião é necessário que o animal tenha no máximo 5kg de peso total mais a caixa de transporte (o peso irá variar entre as empresas, bem como o tamanho da caixa de transporte), algumas companhias não aceitam raças caninas braquicefálicos. Também há a opção do animal viajar no compartimento de despacho, portanto é necessário se informar das condições e regras antecipadamente para que se programe e evite problemas indesejados.